Categorias

Archive for the ‘#Milos Forman’ Category

Estranho no Ninho, Um (1975)

• Título Original: One Flew Over the Cuckoo’s Nest
• Direção: Milos Forman
• Roteiro: Bo Goldman, Lawrence Hauben
• Gênero: Drama
• Origem: Estados Unidos
• Duração: 133 minutos
• Tipo: Longa-metragem
• Diáologo: Inglês
• Legenda: PT-BR
• Cor: Colorido

McMurphy (Jack Nicholson) pensa poder fugir do trabalho na prisão fingindo ser louco. Ele é então enviado a um sanatório, onde deve lidar com uma realidade triste e dura, além de ter que encarar a enfermeira Mildred Ratched (Louise Fletcher), que dificulta as coisas para ele.

700MB / AVI / IMDb / TRAILER

TORRENT + LEGENDA

 

“Deus escreve certo por linhas tortas. Às vezes, o velho e conhecido ditado se encaixa tão perfeitamente em determinadas situações de bastidores da indústria cinematográfica que até mesmo os quem não acredita Nele pensa duas vezes. Este é o caso do megasucesso dos anos 1970 “Um Estranho no Ninho” (One Flew Over the Cuckoo’s Nest, EUA, 1976). Planejado como um pequeno melodrama sobre inconformismo, a história sobre um homem rebelde e mentalmente são que é trancafiado num hospício conquistou um sucesso avassalador de público, tornando-se o segundo filme a conquistar as cinco principais categorias do Oscar. O que pouca gente sabe é que a produção levou quase duas décadas para sair do papel.

Na realidade, “Um Estranho no Ninho” deveria ter sido produzido em 1962, quando o ator Kirk Douglas, então um grande astro no ápice da carreira, comprou os direitos do romance de mesmo nome, escrito por Ken Kesey. Durante um ano, Douglas lutou para convencer os executivos dos grandes estúdios a financiar o longa-metragem, mas aquela era a época da Hollywood clássica, e um enredo que incentivava abertamente o inconformismo não era bem visto dentro dos círculos conservadores que dominavam a indústria. Literalmente todos os estúdios se recusaram a bancar a obra. Douglas acabou montando uma produção teatral no ano seguinte, e desistiu de fazer o filme.

Antes, enquanto tentava levar o projeto à frente, o ator havia chegado a bater um papo sobre o livro com o cineasta tcheco Milos Forman, que então ainda trabalhava no país natal. Douglas queria um diretor jovem, e sugeriu que Forman lesse o livro, tendo enviado um exemplar pelo correio para o cineasta. O romance nunca chegou (possivelmente confiscado pelos censores do então país comunista), e os dois passaram dez anos sem se falar depois disso. Em um mal-entendido clássico, Douglas pensou que Forman odiara o livro, e o tcheco achou que o astro de Hollywood simplesmente esquecera da promessa. Aparentemente, o conto rebelde de Ken Kesey não estava destinado a virar filme. Quem iria mudar isso seria um jovem cabeludo apaixonado pelo conto, que por coincidência era filho de Kirk: o futuro astro Michael Douglas.

Ator iniciante na primeira metade dos anos 1970, foi Michael quem percebeu que o mundo havia mudado, e que vivia a época perfeita para um filme sobre inconformismo. Na ocasião, os jovens norte-americanos experimentavam um período especialmente rebelde, com passeatas contra a guerra do Vietnã e resquícios da fase “amor livre” da era hippie. Ele e o experiente produtor Saul Zaentz decidiram levar o projeto adiante. Os grandes estúdios continuavam com medo do tema, mas a Warner liberou o orçamento minúsculo de US$ 4 milhões e topou a parada. Tendo acertado com o ícone da rebeldia juvenil da época, Jack Nicholson, para o papel principal, Douglas precisava gastar pouco com o diretor. E escolheu justamente Milos Forman, então iniciando carreira em Hollywood. Parece ou não parece algo mágico?

Desde o princípio, Forman viu a história do jovem rebelde enviado para testes psiquiátricos num Manicômio Judiciário como uma metáfora para a situação de seu país de origem, a Tchecoslováquia. Foi ele quem tomou a decisão de hospedar os atores dentro de um manicômio de verdade, onde todos puderam viver durante dez dias como pacientes, e depois gravar o filme inteiro em seqüência, ali mesmo, usando os loucos como extras. A atitude permitiu que cada ator trabalhasse as nuances de seus personagens, e o resultado transparece na tela: cada integrante do grupo de pacientes que convive com McMurphy, mesmo aqueles com pouco tempo de tela, parece uma pessoa de carne e osso, com sentimentos e uma história pessoal.

As performances ainda foram turbinadas por uma técnica rara no cinema, adotada por Forman: ele filmava todas as cenas em longas tomadas, sem dizer aos atores para quem a câmera estava apontada. Como ninguém sabia quando seria focalizado, todos permaneciam interpretando o tempo todo. Daí as atuações cheias de energia de Jack Nicholson – impagável, na pele do rebelde que luta com todas as forças para que os pacientes comecem a pensar por si próprios – e Louise Fletcher (a enfermeira-chefe, Ratchett), cujo rosto impassível faz o contraponto perfeito à expressão gozadora de Nicholson.

O resultado é um perfeito melodrama agridoce, ao mesmo tempo amargo e encharcado de esperança, com muitos momentos emocionantes (toda a seqüência da pescaria, o final arrasador), de fazer os espectadores mais sensíveis se debulharem em lágrimas. A subtrama que envolve o tímido jovem Billy (Brad Dourif, indicado ao Oscar de ator coadjuvante na sua estréia cinematográfica) é magnífica, extremamente tocante, e sozinha poderia ter sido transformada em um belo filme. Influenciou todas as obras inconformistas feitas a partir dele, como “Sociedade dos Poetas Mortos” (1989) e “Um Sonho de Esperança” (1994).

A edição especial em DVD é dupla e caprichada. No disco 1 vem o filme restaurado, com ótima qualidade de imagem (widescreen 1.85:1 anamórfica) e som (Dolby Digital 5.1). Um comentário em áudio reúne o diretor e os produtores Michael Douglas e Saul Zaentz. O disco 2 tem um documentário bastante informativo (47 minutos), oito cenas deletadas e um trailer. A Warner também lançou o filme em disco simples e sem extras.”

Fonte: www.cinereporter.com.br

Share

Amadeus (1984)

• Título Original: Amadeus
• Direção: Milos Forman
• Roteiro: Peter Shaffer (peça teatral e roteiro)
• Gênero: Drama/Musical
• Origem: Estados Unidos
• Duração: 160 minutos
• Tipo: Longa-metragem
• Diáologo: Inglês
• Legenda: PT-BR
• Cor: Colorido

Cinebiografia fictícia de um dos maiores gênios da música clássica de todos os tempos. A história é contada através de Salieri, antigo músico da corte real. Toda a sua admiração e inveja por Mozart criam um paradoxal sentimento durante toda a projeção, com um amor em comum entre os dois: a música.

1,45GB / AVI / IMDB / TRAILER

TORRENT + LEGENDA

 

Amadeus é um daqueles filmes complicados para  elaborar uma crítica. Primeiro que o diretor Milos Forman teve o capricho de colocar atores excelentes no filme Amadeus,  além de cômicos.  Segundo que  o roteiro do filme, tem controvérias com a  fidelidade  da verdadeira história de Mozart (Como por exempo o  caso de Alighieri). Terceiro temos a trilha sonora, o figurino e a  filmagem que não deixa nada a desejar. Em resumo, o filme pode ser criticado, elogiado de diversas maneiras.

Mas, o que EU, mero amador crítico de cinema tenho a dizer à respeito desse filme ? Em algumas palavras, vou tentar resumir: Excelente, cômico e acima de tudo, obra notável do cinema. O que eu destaco à respeito desse filme ? a incrível risada do ator que interpreta Mozart, as músicas de Mozart e a dramática do filme.

Se você é daqueles que adora música, história da música, vida de gênios, então provavelmente irá gostar bastante desse filme.

-Ogata O’gara.

http://twitter.com/ogataogara

Share

Hair (1979)

• Título Orignal: Hair
• Direção: Milos Forman
• Roteiro: Gerome Ragni, James Rado, Michael Weller
• Gênero: Musical, Comédia, Drama
• Origem:  EUA / Alemanha
• Duração: 121 minutos
• Tipo: Longa-metragem
• Diálogo: Inglês
• Legenda: PT-BR
• Cor: Colorido
 
Claude (John Savage), um jovem do Oklahoma que foi recrutado para a guerra do Vietnã, é “adotado” em Nova York por um grupo de hippies comandados por Berger (Treat Williams), que como seus amigos tem conceitos nada convencionais sobre o comportamento social e tenta convencê-lo dos absurdos da atual sociedade. Lá Claude também se apaixona por Sheila (Beverly D’Angelo), uma jovem proveniente de uma rica família.

700MB / AVI / IMDbTRAILER

TORRENT LEGENDADO

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Share

Digite seu Email e receba as atualizações